Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Submarino russo “Yuri Dolgoruki” realiza com êxito lançamento simultâneo de dois mísseis balísticos Bulavá.


 O submarino nuclear “Yuri Dolgoruki” realizou com êxito na sexta-feira (23/12) o lançamento simultâneo de dois mísseis balísticos Bulavá a partir do Mar Branco, comunicou a RIA Novosti o porta-voz do ministério russo da Defesa, Igor Konashenkov.

 “O lançamento se realizou a partir do submarino submerso no mar até o polígono de Kura, na Península de Kamchatka. O vôo dos mísseis se realizou em regime oficial, as ogivas alcançaram o polígono na hora programada”, disse a fonte.

 Nesta prova, segundo Konashenkov, o mais importante foi ensaiar um lançamento simultâneo de dois mísseis desde seu portador oficial, o submarino nuclear “Yuri Dolgoruki”.

 Este foi o decimo oitavo lançamento do Bulavá (quarto neste ano). Os lançamentos anteriores ocorreram em 28 de junho, 27 de agosto e 28 de outubro passado, também a partir do submarino “Yuri Dolgoruki” (projeto 955 classe “Borei”). Antes, os lançamentos se realizavam desde o submarino "Dmitri Donskoi" (projeto 941U classe “Akula”).

 O ministério russo da Defesa anunciou em reiteradas ocasiões que o lançamento simultâneo será a prova decisiva do míssil Bulavá antes de incorporá-lo ao Exército junto com o submarino “Yuri Dolgoruki”, seu portador oficial.

 O míssil balístico intercontinental R30 3M30 Bulavá-30 (RSM-56, em tratados internacionais e SS-NX-30, segundo a classificação da OTAN) é um foguete de três etapas e propelente sólido lançado desde submarinos.

 O míssil tem um alcance de 8.000 quilômetros e pode portar entre 6 e 10 ogivas nucleares hipersônicas autônomas, de 100 a 150 quilotons cada uma, capazes de modificar a trajetória de vôo.

 O portador oficial do Bulavá é o submarino projeto 955 classe “Borei”. Para 2015 está prevista a construção de oito submarinos desse tipo.

Fonte: http://sp.rian.ru/Defensa/20111223/152305093.html

Leia também:


O Pentágono lança ofensiva para atacar seus inimigos pela Internet.


 Dentro de 680 páginas da lei de Autorização da Defesa Nacional Aprovada ( NDAA FY 2012 ) pelo congresso durante o Ano Fiscal de 2012 estão muitas disposições que podem deixar o público americano irritado se puderem pesquisar todos os conteúdos.

 Além de estabelecer a capacidade do presidente para deter e torturar os seus próprios cidadãos indefinidamente há também numa nota muito pequena do texto que provê o comandante supremo a, de uma vez por todas, legalmente atacar os inimigos da América pela Internet.


 Sob o ato controverso da Defesa que está esperando a aprovação do Presidente dos Estados Unidos Barack Obama, os legisladores podem dar ao Ramo Executivo autoridade de lançar uma guerra por sobre a Internet contra qualquer nação considerada uma ameaça à América. Especificamente, a Seção 954, “as Atividades Militares no Ciberespaço,” os estados, “o Congresso afirma que o Departamento da Defesa tem a capacidade, e sobre a direção do presidente podem conduzir operações ofensivas no ciberespaço para defender a nossa nação, aliados e interesses.”



 A Casa Branca originalmente disse que vetaria a NDAA FY 2012 se fora do Capitólio, mas apenas dias antes de deixar o Congresso, o Secretário de Prensa Jay Carney disse aos meios de comunicação que os aconselhadores do presidente não recomendarão mais tal ação. Assim, a tinta do nome de Obama para o documento não lhe dará somente o poder para perseguir ataques de computador, mas também a capacidade de deter o americano indefinidamente, o uso das táticas de emprego da tortura em presos e o envio dos seus próprios cidadãos a instituições estrangeiras por acusação.


 Os EUA foram criticados desde os primeiros dias da Era da Informação por supostos ciber ataques contra poderes estrangeiros. Enquanto não houver nenhuma legislação que impeça o Congresso de conduzir uma batalha como tal, a passagem da NDAA FY2012 assegurará que mais nenhuma luta futura da Web será poupada a oposição daqueles que faltam chorar.

 Agora, diz o Diretor de Instituto de SANS Alan Paller, o Pentágono tem a “permissão explícita de fazer o que for necessário ser feito.” No Federal Times, contudo, Paller também acrescenta inflamado “isso é o que tem sido feito” pela América no passado.


 Enquanto a tensão se aperta entre os EUA e o Irã sobre o suposto programa nuclear do estado estrangeiro, algumas pessoas íntimas já sugeriram que uma ciberguerra tenha começado entre as nações. América já foi culpada por muitos por causa do vírus de computador Stuxnet que infiltrou nas redes de Teerã no ano passado. Nas últimas semanas o ataque no programa de drones do Pentágono que deixou dois artefatos tecnológicos de muitos milhões de dólares fora do controle da América vem sendo considerado como efeito de um ciber-ataque do Irã. Apesar de esta batalha entre os países se originar a ultramar ou não, o Presidente Obama pode agora legalmente arruinar com as informações publicitárias do Irã para conduzir uma ciberguerra uma vez permitida pelo Congresso.


 Como nas guerras travadas com bombas e balas, o comandante supremo ainda precisará de aprovação da Casa e do Senado antes de ir batalhar, como delineado na Resolução War Powers Resolution Act de 1972. Só neste ano, contudo, o Presidente Obama diretamente violou a legislação e desdobrou forças americanas na Líbia para ajudar em uma coalizão da OTAN para derrubar o então-líder Muammar Kaddafi. Em Junho, o discursante da Casa John Boehner, logo em seguida a Obama notificou em carta afirmando que “a Casa chega a conclusão de que você fez uma de duas determinações: você concluiu que a Resolução de Poderes de Guerra não se aplica à missão na Líbia, ou você determinou que a Resolução de Poderes de Guerra é contra a Constituição.“


 “A Casa, e o povo americano que representamos, merecem saber a determinação que você fez,” acrescentou o discursante Boehner. Aquela hostilidade, que Obama insistiu não constituir uma guerra, continuou durante meses e produziu aproximadamente 145 ataques de míssil.

 Mesmo então, foi revelado depois que o presidente tinha considerado o lançamento de uma ciberguerra contra a Líbia e derrubar Kaddafi. Um funcionário da administração de Obama que disse na condição de anônimo ao Times de Nova York em Outubro, disse que os EUA têm capacidade cibernética dentro do seu arsenal, mas disse que eles são “como a Ferrari que você guarda na garagem e só tira para a grande corrida e não somente para uma corrida em volta da cidade, a menos que nada mais possa substitui-la.” O funcionário também disse que a administração contemplou um ataque de computador sobre Osama bin Laden antes do ataque e da execução que derrubou o líder ex-al-Qaeda em maio deste ano.


 O Secretário de Defesa Leon Panetta contou numa audiência em Julho que “o próximo Pearl Harbour que confrontamos pode muito bem ser um ciber-ataque que mutilará os nossos sistemas de poder, a nossa rede, os nossos sistemas de segurança, os nossos sistemas financeiros [e] os nossos sistemas governamentais.” Desta vez, com a América está a legitimidade da iniciativa de ataques ofensivos, portanto o seguinte ataque terrorista pode ter os cumprimentos do Tio Sam.

 “Estão sendo tomadas tanto medidas defensivas como medidas agressivas para tratar com isso,” acrescentou Panetta.


Fonte: http://rt.com/usa/news/war-cyber-attack-obama-451/


Veja também:
  •  http://www.clickthrough-marketing.com/eu-cookie-law-could-cause-chaos/
  •  http://www.youtube.com/watch?v=Ye8mB6VsUHw
  •  http://blog.thinksem.com/2009/11/google-analytics-cookies.html

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology