Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

EUA permanece no Iraque para evitar uma aliança entre Irã e Iraque.


 No Iraque, a justificação da administração Obama para manter as tropas após o final deste ano foi ostensivamente para treinar o Exército iraquiano e as forças policiais, mas havia outras razões:

 Washington pretende permanecer no Iraque para manter um olho em Bagdá porque teme que uma aliança mutuamente benéfica possa se desenvolver entre o Iraque e o vizinho Irã, duas sociedades xiitas em um mundo hostil, ocasionalmente, muçulmano sunita, enfraquecendo a hegemonia americana no importante cenário estratégico de petróleo na rica região do Golfo Pérsico e, finalmente, todo o Oriente Médio e Norte da África.

 Os EUA também pretendem salvaguardar lucrativos investimentos econômicos no Iraque, e os enormes lucros futuros esperados por empresas americanas, especialmente no setor de petróleo desnacionalizado. Além disso, as forças do Pentágono e da CIA estavam estacionadas - até agora, ao que parece - em estreita proximidade com a fronteira ocidental do Irã, uma posição estratégica para invadir e provocar uma mudança de regime.

 Em outras condições, os EUA podem simplesmente ter insistido em manter as suas tropas no Iraque, independentemente da apreensão, mas o Estatuto das Forças compacto que rege essa assunto só pode ser mudado legalmente por mútuo acordo entre Washington e Bagdá. O acordo foi organizado em Dezembro de 2008 entre o primeiro-ministro Maliki e o presidente George W. Bush - não Obama, que agora leva o crédito para o fim da guerra no Iraque, apesar de tentar prolongar a missão de um grande número de tropas dos EUA.

 A princípio Washington queria manter mais de 30.000 soldados, mais uma enorme presença diplomática e contratante no Iraque após a retirada "completa". Maliki - empurrado por muitas das facções políticas do país, incluindo algumas influenciadas pelo Irã contrárias ao longo prazo de ocupação dos EUA - estendeu para um número muito menor.

 No início de Outubro, Bagdá decidiu a permanência de somente no máximo 3.000 a 5.000 soldados dos EUA em capacidade de formação. Além disso, os iraquianos com efeito, declararam um grau de independência de Washington, insistindo que os soldados americanos restantes devem ser mantidos em bases militares e não ser concedida imunidade legal, quando na sociedade em geral. Washington, que tem tropas estacionadas em países em todo o mundo, rotineiramente insiste na isenção legal para sua legião estrangeira, como uma questão de arrogância imperial, e não de compromisso.

 A Casa Branca indicou que um acordo pode ainda ser trabalhado para permitir que alguns treinadores norte-americanos e especialistas possam permanecer, talvez como civis ou empreiteiros. O Clérigo xiita Muqtada al-Sadr, um adversário ferrenho da ocupação dos EUA, sugeriu que o Iraque deve empregar formadores para as suas forças armadas de outros países, mas isso é impraticável para um país com armas americanas e aviões.

 Independentemente disso, a Casa Branca está aumentando o número de funcionários do Departamento de Estado no Iraque de 8.000 para um quase inacreditável 16.000, a maioria estacionados na nova embaixada elefantina no enclave quase-militar da Zona Verde em Bagdá, em novos consulados americanos em outras cidades, e em posições "consultivas" superiores em muitos dos ministérios do regime, particularmente o Ministério do Petróleo. Metade do pessoal do Departamento de Estado, 8.000 pessoas, vai lidar com os deveres da "segurança", junto com cerca de 5.000 novos "contratados da segurança" privada.

 Assim, os EUA vão possuir, no mínimo 13 mil de suas próprias forças de "segurança" armados, e ainda há uma possibilidade de Bagdá e Washington trabalharem por fora uma manobra para a adição de um número limitado de "não-combates" formadores militares, abertamente ou por outros meios .

Fonte:
http://globalresearch.ca/index.php?context=va&aid=27291

Leia também: 

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology