Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 9 de março de 2012

A América Latina tem se tornado o refúgio da crise aos jovens europeus.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 08 de março de 2012.

 
“Caminhante, se você passar pela minha casa / Diga a minha grande nostalgia / O que aconteceu comigo, olhando longe / Esperando um dia receber uma carta.” (Horacio Guaraní)

A grave crise econômica que assola os EUA e, especialmente, a União Europeia, destruindo o caminho da classe média e convertendo o pobre em desamparado, obrigando milhares de homens e mulheres se juntar às fileiras dos novos imigrantes, chamados “refugiados da crise”.

Não há palavras para expressar o que isso significa para o homem e o que se sente ao ser forçado a deixar sua pátria e seus entes queridos. O poeta do Paraguaio, Fernando Fernández, disse em seu poema “Ser Imigrante” isso implica “se aventurar no desconhecido em busca do seu horizonte com futuro melhor / que lhe dá um futuro em que não falte o pão para os seus.”

Os novos candidatos a imigrantes não são mais latino-americanos fazendo longas filas nos consulado dos Estados Unidos ou Espanha, mas os europeus e especialmente os espanhóis, gregos, italianos, irlandeses e portugueses, buscando sua sorte na América Latina.

Também começaram a regressar à sua pátria latino-americanos que nos anos 1980 e 1990 fugiram da violência e da miséria em que estavam mergulhados os seus países. Agora a situação se inverteu e, enquanto a Europa está passando por um rápido declínio devido à depressão, a América Latina está mostrando um crescimento econômico estável. A globalização começou após a Primeira Guerra Mundial, por destruir a família tradicional na América e na Europa, que foi percebido pelos criadores deste processo, a pedido de seus assessores psicólogos, como um freio para a mão de obra facilmente móvel um lugar para outro do país ou planeta.

Agora com esta crise foi a vez dos países economicamente mais vulneráveis da Europa perderem a sua soberania. A intenção da chanceler alemã Angela Merkel de nomear um supervisor da União Europeia (UE) para controlar o orçamento do governo da Grécia que fracassou miseravelmente, indica claramente até onde vai o processo de globalização. Medidas de austeridade e os empréstimos a bancos que ultrapassam um trilhão de dólares sem um plano concreto para o crescimento econômico e para o pagamento do empréstimo, estão destruindo as estruturas socioeconômicas de países europeus.

De acordo com estatísticas da UE, o número de pobres aumentou de 2007 a 2009 de 85 a 115 milhões e estima-se que atualmente seja de 120 milhões. Atentando a este fato os governantes não resta outra escolha que dizer aos jovens, como expressou o ex-banqueiro e atual primeiro-ministro italiano Mario Monti que os jovens devem se desacostumar a ter um emprego estável que é “monótono” e é ” melhor aceitar os desafios. “

O que se esqueceu de dizer a Mario Monti é que na Itália há cerca de um milhão de jovens entre 25 e 35 anos, com formação profissional que não conseguem encontrar emprego. E o que dizer dos que não tem profissão?

Assim aos jovens profissionais não resta outra alternativa senão deixar seus países onde a taxa de desemprego, como na Espanha, está perto de 30 por cento e, para os jovens está próximo de 40 por cento sem qualquer perspectiva de solução. De acordo com uma reportagem da BBC em 2011 fugiram da Espanha 62.611 estrangeiros e 445.130 cidadãos espanhóis. Censo Eleitoral de Espanhóis Residentes no Exterior mostra que, desde o início da crise em 2008 deixaram o país mais de 300.000 cidadãos. Ao mesmo tempo, o estudo de Adecco mostra que outros tantos estão se preparando para deixar o país. A maioria está atualmente se direcionando para os países latino-americanos, em vez de EUA, Alemanha, Reino Unido e Noruega como fizeram seus antecessores.

O Brasil é um dos países que mais oferecem oportunidades para os profissionais, devido à expansão do boom na economia e as facilidades oferecidas pelo governo. A política do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e sua atual presidente Dilma Rousseff para enfrentar a crise global com base no desenvolvimento do mercado interno para estimular o consumo interno, com audácia e disciplina está rendendo resultados. Apesar de todas as previsões pessimistas do Banco Mundial e Fundo Monetário Internacional, a economia do Brasil está crescendo ao longo dos últimos três anos superando os 5 por cento anuais. E não é surpreendente que um profissional da bolsa ganhe mais em São Paulo do que em Wall Street. De acordo com a Consultoria Internacional Michael Page, 30 por cento dos candidatos ao trabalho no Brasil são espanhóis, portugueses e franceses, sem considerar os profissionais cariocas que regressam do estrangeiro.

Outro país que está atraindo profissionais europeus é a Argentina. Pela segunda vez, após a Guerra Civil, a América Latina e, especialmente a Argentina, dá a mão aos imigrantes espanhóis que procuram um futuro seguro. Atualmente de 1.389.916 dos espanhóis que vivem no estrangeiro, 22 por cento estão na Argentina e apenas entre 2010 e 2011 cerca de 50.000 profissionais espanhóis, sobretudo da Galiza chegaram ao país em busca de emprego e salário digno. O país gaúcho está prosperando devido ao seu próprio programa econômico praticamente contrário às receitas do Banco Mundial e do FMI, ignorando a austeridade excessiva imposta pelos bancos na Europa frente à depressão e o fortalecimento do Estado de bem-estar das pessoas.

Campanha para a integração de imigrantes na Espanha.


América Latina está se tornando no El Dorado moderno para os emigrantes espanhóis. Aqueles que não vêm ao Brasil e à Argentina vão para o Uruguai e o Chile. De acordo com estatísticas da imigração desses países em 2011 foi registrada a chegada de 6.800 espanhóis no Uruguai e de 6.400 no Chile. A maioria são especialistas em ambiente, energia, engenharia, ciência da computação, pesca e agro-alimentação, a maioria dos quais encontram emprego.

Diziam os gregos antigos, que a memória é irmã do tempo e às vezes esta se perde nos braços do seu irmão. Recentes imigrantes latino-americanos que também buscavam o seu futuro diferente na Espanha foram tratados com arrogância e desprezo chamados de ‘sudacas’. Agora são os ‘sudacas’ que oferecem o salva-vidas para aos espanhóis e não necessitam de visto para chegar, mas é quase impossível para os americanos hispânicos obter um visto para a Europa. Paradoxalmente, a Rússia é o único onde podem ir sem visto.

Aprenderá alguma vez a humanidade esta lição para sair do ciclo vicioso do racismo e da desigualdade

fonte: Ria Novosti

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology