Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Em entrevista líder Sírio Bashar al-Assad afirma: "Fui castigado pela amizade com a Rússia".

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 12 de fevereiro de 2012

Até recentemente, o líder sírio Bashar al-Assad não considerava-se aberto ao diálogo com a imprensa. Os representantes de muitas das principais emissoras de TV estrangeira têm se queixado de, às vezes, por meses tentando conseguir um encontro com ele sem resultado. No entanto, o correspondente do "Pravda.Ru" conseguiu um encontro com presidente sem aguardar muito no seu escritório.


Bashar Assad deu uma entrevista em sua residência em Damasco, respondendo às questões de interesse mútuo.

— Até recentemente, o Sr. era considerado um líder respeitado no Ocidente. O que, na vossa opinião, foi a razão para essa mudança?


- A pressão atual do Ocidente não era uma surpresa para nós. Em setembro de 2001, o presidente dos EUA George W. Bush sob o pretexto do combate ao terrorismo começou uma campanha contra os líderes, realizando as políticas independentes e contrarias às dos EUA. O primeiro foi o Afeganistão, então o Iraque seguido. Gradualmente tem sido bombeada a opinião pública e em torno da Síria, a qual os EUA começaram a considerar cada vez mais como um complemento ao "eixo do mal" (Iraque, Irão e Coréia do Norte).

Mas as mais fortes mudanças foram sentidas em 2003, pouco depois das tropas dos EUA e seus aliados terem atacado Iraque e derrubado Saddam Hussein. Na Síria, em seguida, chegou o então secretário do Departamento de Estado, Colin Powell, que exigiu uma revisão das nossas relações com a Rússia, destacando que a política em relação a Moscou Damasco devesse mudar em 180 graus. A nós foi apontado abertamente para a necessidade de romper todos os acordos de aliança com a Rússia e, de fato, abandonar a amizade com ela.

Caso contrário, eu fui ameaçado de agressão. Em particular, Colin Powell assinalou que no Iraque já estavam as tropas americanas e equipamento militar, incluindo aviões de combate, que podem ser usados contra a Síria. No entanto, nós não sucumbimos a essa pressão e rejeitamos a oferta ultimato. Depois disso, a Síria ficou sob pressão sem precedentes, que nos ajuda a suportar com sucesso o apoio da Rússia, a qual estamos muito gratos por sua posição.

— A atual secretária do Departamento do Estado, Hillary Clinton, e outras autoridades dos EUA manifestaram apoio aberto à oposição radical a conduzir a luta armada contra o governo da Síria. O que são os militantes ativos em território sírio?

- Aqueles que estão com arma nos braços podem ser divididos em três tipos: pequeno grupo de Al-Qaeda que não tem nenhuma influência entre os sírios, a organização Irmandade Muçulmana, que não é um grupo grande, mas têm peso grave entre os radicais. A maior parte da oposição radical é composta por pessoas que não são membros de tais movimentos, mas com velhos ressentimentos do passado, inclusive por eventos nos inícios de 1980 ( revolta da Irmanidade Muçulmana-Red).

E nas ações contra a Síria, o terrorismo têm-se apoiado não só pelos Estados Unidos, mas também por vários países árabes do Golfo Pérsico. Chamo especial atenção para o fato de que a mesma situação era em relação às ações russas na Chechénia. Ocidente e algumas monarquias árabes também apoiaram as tropas ilegais chechenas, o mesmo que estão fazendo agora na Síria.

— Representantes da oposição síria, incluindo aqueles que estão em Moscou, acusam as autoridades sírias por contribuírem para o conflito, uma vez que se recusam a legalizar a Irmandade Muçulmana. O Sr. anunciou uma reforma política importante e eleições nacionais. Se têm os "irmãos" uma chance de legalização e entrada no parlamento?

- De acordo com a Constituição, a Síria é um país laico. Isto significa que qualquer tipo de movimento agindo sob slogans religiosos, cujas atividades são destinadas a dividir a sociedade síria, não pode reivindicar isso. Incluindo a Irmandade Muçulmana. Esta organização, com base na sua ideologia não pode ser legalizada. No entanto, isso não quer dizer que vamos cortar essas pessoas a partir de eventual participação em uma vida pacífica. Dizemos a eles: "Criem o seu próprio partido político, fundado em princípios laicos e participem na luta por assentos no parlamento."

— O Sr. agradeceu à Rússia por seu apoio à Síria. De particular interesse a este respeito são as questões da cooperação técnico-militar. Em 2007, Israel e os EUA desencadearam o escândalo sobre a venda antecipada dos interceptores MiG-31E à Síria, que pudesse mudar completamente o equilíbrio de poder na região. Como resultado o negócio foi suspendido. Existe agora uma oportunidade de implementá-lo e, assim, alcançar um aumento significativo de defesa aérea e reduzir a probabilidade de agressão externa?

- Temos algumas perguntas sobre as condições das aeronaves russas. Por outro lado, estamos bem conscientes de que o potencial de forças inimigas é muito superior a nosso. Dado o fato de que os aeroportos onde se localizam os aviões é vulneráveis a chuva, mesmo nestas circunstâncias, no momento, decidimos contar basicamente, reforçando simultaneamente a nossa defesa para menos vulnerável a possíveis ataques do agressor, com componente terrestre.

Serguei Balmasov
 

Fonte: Pravda.ru

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology