Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Disputas e diplomacia: Por que o Japão se apega às Ilhas Curilas russas?

 O ministro do exterior da Rússia, Sergei Lavrov, fará uma visita de seis dias ao Japão em poucos dias. Espera-se que o conselho anfitrião pontue sobre o tema sempre presente das Curilas do sul.

 A visita atual de Lavrov será realizada num momento após a "inspeção" demonstrativa nas Curilas do Sul por um alto funcionário japonês. Em 14 de janeiro o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão, Koichiro Gemba inspecionou a ilha a partir do convés de seu navio, o que deu origem a outra onda de declarações de políticos, figuras públicas e jornalistas sobre a questão territorial entre a Rússia e o Japão.

 Recentemente, a questão territorial para os japoneses tem sido mais aguda do que nunca (acho que a "comemoração" do Dia dos Territórios do Norte pelos japoneses em 07 de fevereiro de 2011, o abuso da bandeira russa e uma bala entregue à embaixada russa em Tóquio, em um envelope). A situação foi agravada pelas declarações repetidas do Departamento de Estado dos EUA sobre o seu apoio às reivindicações territoriais japonesas.


 A Rússia confirmou uma opinião justa sobre a inadmissibilidade de usar o termo "o regresso das ilhas", uma vez que tal afirmação carrega um tom de má vontade em aceitar as condições do mundo pós-guerra. O termo de substituição proposto "transferência voluntária" por um lado, enfatiza a atitude benevolente das partes, e por outro lado, não contém a reconsideração dos resultados da Segunda Guerra Mundial.

 A grande maioria dos russos não aceita a idéia de transferir as Ilhas Curilas do Sul para o Japão. De acordo com uma pesquisa de opinião pública realizada pelo portal Superjob.ru em março do ano passado, seguindo ainda a compaixão geral pelo Japão após do grande terremoto, 75 por cento dos russos não consideraram direito de dar as ilhas para o Japão. Depois de uma possível transferência das ilhas Curilas ao Japão questões de fronteiras com países como a China, Estônia e Finlândia podem se intensificar.

Presidente da Rússia fotografado com uma família das Ilhas Curilas.
Foto: www.china.org.cn
 É inaceitável tanto para a liderança política quanto para os cidadãos da Rússia, a maioria dos quais testemunharam os eventos dramáticos do colapso da URSS. A este respeito, pode-se argumentar que num futuro próximo seja improvável que a Rússia mude a sua posição sobre as Ilhas Curilas. No entanto, os japoneses não estão dispostos a ficar por baixo.

 Após o colapso da União Soviética, o Japão perdeu seu papel de "porta-aviões do Pacífico" para os EUA e começou a procurar um novo papel na região. Por um lado, na sequência do colapso do vizinho superpotência, o desejo de trazer de volta o "capturado" território foi reavivado. Por outro lado, a necessidade do Japão de se adaptar ao seu papel que diminui gradualmente para os EUA emergiu. Por isso o desenvolvimento da cooperação econômica entre a Rússia e o Japão ocorreu junto com o endurecimento das exigências territoriais.


 Os japoneses são atraídos pelos recursos naturais das Curilas: 1.867 toneladas de ouro, 9.284 toneladas de prata, o maior depósito do mundo de rênio usado na criação de motores de jato, depósitos de gás natural, petróleo, mar rico em plâncton, e os Estreitos de Vries e Catherine sem gelo. Para o país que sempre teve recursos naturais escassos, a posse destas ilhas poderia desempenhar um papel positivo.

 A Rússia, sentindo a necessidade urgente de atrair o investimento para a sua economia, tem repetidamente proposto a "internacionalização" do projeto ilhas Curilas, visando a criação de uma zona econômica aberta e introduzindo o regime de isenção de vistos para cidadãos japoneses nas ilhas.

Povoado em Shikotan, uma das ilhas do Arquipélago das Curilas.
Foto: www.liveinternet.ru
 Isso abriria um maior acesso às empresas japonesas para o Extremo Oriente russo. Além disso, os dois países acumulariam uma rica experiência de cooperação na Sibéria, onde empresas russas junto com a empresa "Mitsui" lideram o desenvolvimento das jazidas de urânio ELKON, e em Sakhalin Island, onde a "Gazprom", juntamente com o consórcio japonês Japan Far East Gas estão projetando uma planta para processamento de gás natural liquefeito e seu transporte para o Japão.

 O aumento do volume de negócios é bastante óbvio: em 2001 era quatro mil milhões de dólares por ano, e em 2009 atingiu 30 bilhões de dólares. No entanto, no contexto de progresso na cooperação econômica, sobretudo no desenvolvimento dos recursos naturais do Extremo Oriente, é estranho que o Japão não veja a Rússia como um parceiro econômico na Curilas. A Elite política japonesa iniciou a criação da "Associação para a Devolução dos Territórios do Norte", e está elaborando leis que indicam que as Ilhas Curilas do Sul pertencem ao Japão.


 O que está por trás desse paradoxo? Por um lado, as razões devem ser procuradas na natureza da elite japonesa. É um grupo empresarial, muitos de cujos membros descendentes dos políticos do início e meados do século 20 (um exemplo vivo disso é a família Hatoyama, cujo representante Yukio Hatoyama serviu como primeiro-ministro em 2009-2010, e seu avô, Ichiro assinou a declaração de 1956 com os soviéticos).

 "Os novos jogadores" apanhados neste sistema tem que jogar pelas regras estabelecidas. Isto reduz a área de manobra na tomada de decisões, o que explica o empenho dos japoneses para um curso. Uma vez que nos mais altos escalões do poder no Japão, o político deve demonstrar sua unanimidade com o ponto de vista comum, especialmente nos assuntos externos que são extremamente importantes para o Japão.

 A lealdade para com o curso geral é necessária para membros de ambas as Partido Democrata e Liberal-Democrata. Esta é a maneira de incutir as características de grupo necessárias dos políticos japoneses. Como resultado, a experiência tem mostrado que a posição do Japão na questão das Curilas pouco mudou desde que chegou ao poder o Partido Democrata, e no futuro próximo é improvável que seja diferente.


 O segundo ponto importante são as peculiaridades do funcionamento do Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês. Em matéria de assuntos estrangeiros o Ministério das Relações Exteriores é um intermediário entre o principal parceiro econômico do Japão, os EUA, e as empresas japonesas. Por um lado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês faz declaração sobre o favorecimento das atividades das empresas japonesas no exterior, e por outro, indica que há limites a observar de modo que os interesses das empresas dos EUA não sejam feridos.

O Arquipélago das Curilas, um conjunto de ilhas vulcânicas pouco povoado.
 Com relação à Rússia, o Ministério dos Negócios Estrangeiros japonês expressou a posição coletiva da elite política e empresarial do Japão, bem como parte das corporações transnacionais e dos EUA, que também tem seus próprios interesses nas Ilhas Curilas. Nenhum amolecimento da posição japonesa é esperado. O tema sobre a propriedade das Curilas do Sul vai continuar por muito tempo a impedir o desenvolvimento das relações russo-japonesas.

 Após um grande terremoto em 11 de março de 2011 e os acidentes da usina de energia nuclear "Fukushima," a crise de energia do Japão eclodiu aumentando a demanda por energia importada. Nas atuais circunstâncias, a Rússia irá se tornar um grande fornecedor de gás para o Japão, proporcionando uma oportunidade para a recuperação gradual do país. Isso foi discutido durante as conversações entre o primeiro-ministro do Japão Noda Yosihiko com Vladimir Putin, em setembro do ano passado.


 No entanto, nenhum progresso ocorreu no sentido de resolver a questão territorial, e os ministros mais uma vez, tocam apenas sobre a necessidade de resolver este problema. A necessidade de novas fontes de energia para o Japão também aumentou devido às ameaças do Irã ao bloqueio do Estreito de Hormuz e, assim, a interrupção do fornecimento de petróleo (87,1 por cento das importações japonesas são do Oriente Médio). A Rússia, segundo os especialistas, pode cobrir aproximadamente 10 por cento das necessidades de importação do Japão. No entanto, Tóquio não concorda com as propostas russas.

 Em março passado, o enviado presidencial do Distrito Federal no Extremo Oriente Viktor Ishayev disse que a Rússia fez ofertas a um número de países da região Ásia-Pacífico para o desenvolvimento conjunto das Ilhas Curilas, e se as empresas japonesas não participarem, outros investidores da América, China, Brunei, Singapura e Malásia serão atraídos.


 Isto significa que se o Japão, como antes, não concordar, em participar conjuntamente do desenvolvimento econômico das Curilas, mantendo-os dentro da Federação Russa, corre o risco de perder sua posição de liderança no Extremo Oriente da Rússia e além disso agravar o estado crítico da economia. Mas a elite japonesa não reagiu a este aviso.

 A questão territorial para o Japão não é apenas um desacordo com a Rússia (e não somente com a Rússia, disputas similares ocorrem também com a China e a Coréia do Sul) sobre a posse das ilhas. Esta é uma questão decisiva que determina se ou não o Japão vai ser tão bem sucedido e próspero no futuro, como foi no passado. É também uma questão de mentalidade dos políticos japoneses, que são muito lentos e relutantes em mudar.

Autor: Victor Sukovitsyn


Fonte: http://english.pravda.ru/world/asia/26-01-2012/120335-japan_russia_kuril_islands-0/

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology