Fuso-horário internacional

Translate

English French German Spain Italian Dutch Russian Portuguese Japanese Korean Arabic Chinese Simplified

PÁGINAS

Voltar para a Primeira Página Ir para a Página Estatística Ir para a Página Geográfica Ir para a Página Geopolítica Ir para a Página Histórica Ir para a Página Militar

sábado, 30 de junho de 2012

Internet sem algemas: é preciso lutar para mantê-la aberta e livre.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 28 de Junho de 2012. 





A internet se encontra numa encruzilhada. Construída de baixo para cima, impulsionada pelas pessoas, ela se tornou um poderoso econômico e uma força social positiva Mas seu sucesso produziu uma reação preocupante. Em todo o mundo, regimes repressores estão implementando ou propondo medidas que restringem a liberdade de expressão e afetam direitos fundamentais.

O número de governos que censuram o conteúdo da internet aumentou agora para 40; em 2002, eram apenas quatro. E este numero continua a aumentar, ameaçando acabar com a internet como conhecemos ate o momento.


Algumas destas medidas são uma reação aos vários males que podem ser e vem sendo propagados pela rede. Como praticamente todas as infraestruturas, a internet pode ser abusada e seus usuários, prejudicados. Entretanto precisamos tomar cuidado para impedir que a cura para tais males seja mais prejudicial do que benéfica. Os benefícios da internet aberta e acessível são quase incalculáveis e a sua perda causaria um grande estrago econômico e social.

Diante deste contexto, uma nova frente na batalha pela internet está sendo aberta na União Internacional das Telecomunicações (ITU, em inglês), organização das Nações Unidas que tem 193 países membros.


Ela está promovendo uma revisão dos acordos internacionais que governam as telecomunicações e pretende expandir sua autoridade reguladora para a internet numa reunião de cúpula marcada para dezembro em Dubai.

Tal decisão traz implicações potencialmente profundas – e, segundo creio, potencialmente prejudiciais – para o futuro da internet e todos os seus usuários. 
No momento a ITU se concentra nas redes de telecomunicações e na alocação de frequências de radiodifusão, e não na internet em si.


Alguns membros pretendem, expandir a abrangência do tratado que rege a organização de modo a incluir a regulação da internet. Cada um dos 193 países membros tem direito a votar, independentemente do seu histórico de respeito aos direitos humanos – e basta uma maioria simples para aprovar a mudança. As negociações ocorrem em geral entre os governos, e o acesso a elas é muito limitado para a sociedade civil e outros observadores. Quando ajudei a desenvolver os padrões abertos que os computadores empregam para se comunicarem uns com os outros pela rede, tive a esperança – sem poder prevê-la – de que ela florescesse , desencadeando uma torrente de engenhosidade humana. Qual foi o molho secreto que levou ao seu sucesso? A prosperou precisamente por que os governos – na grande maioria dos casos – permitiram que a internet crescesse de maneira orgânica, com a sociedade civil, a academia, o setor privado e corpos voluntários de padronização colaborando no seu desenvolvimento, operação e governança.


Em comparação, a ITU cria barreiras significativas para a participação da sociedade civil. Agência especializada vinculada à ONU ela nasceu da antiga União Telegráfica Internacional, fundada em 1865. O tratado que rege a agência, que recebeu sua última emenda em 1988, definiu práticas que quase não afetaram a internet. Embora muitos governos estejam comprometidos com a manutenção de regimes flexíveis para as tecnologias em rápido movimento da internet, outros manifestaram explicitamente o desejo de instalar um grupo intergovernamental, possivelmente vinculado à ONU, no controle da rede.


Há um ano, o então primeiro ministro Vladimir Putin declarou que a Rússia e seus aliados tinham o objetivo de “estabelecer o controle internacional sobre a Internet” por meio da ITU. E, em setembro de 2011, China, Rússia, Tajiquistão e Usbequistão apresentaram à Assembleia Geral da ONU uma proposta para a criação de um “Código Internacional de Conduta para a Segurança da Informação”, com a meta de definir “normas e regras internacionais padronizando o comportamento dos países com relação à informação e ao ciberespaço” nos termo determinados pelo governo.


Boatos a respeito da existência de propostas semelhantes dentro da própria ITU chegaram ao público. Vários regimes autoritários estariam propondo o fim do anonimato na rede, facilitando a localização e a prisão de dissidentes. Outros sugeriram transferir para a ONU o controle do sistema privado que administra os nomes dos domínios e os endereços da internet. Propostas desse tipo sugerem a perspectiva de políticas que permitiriam o controle dos governos, mas que diminuiriam consideravelmente a “inovação sem permissões” subjacente ao extraordinário crescimento econômico decorrente da internet, para não falar no atropelamento dos direitos humanos. Alguns países se mostraram simpáticos a tais propostas. Eles se preocupam com o papel desproporcional que os Estados Unidos desempenham na determinação da direção e do desenvolvimento das políticas para a internet. Alguns acreditam que o status quo favorece os interesses das grandes empresas globais da internet. Outros acreditam que a ITU pode acelerar o acesso à internet no mundo em desenvolvimento.


As decisões adotadas em Dubai no ultimo mês de dezembro têm o potencial de submeter a internet às algemas do governo. Para evitar isso – e manter a internet aberta e livre para as próximas gerações temos de evitar uma guinada fundamental na maneira com a qual a internet é governada.

Incentivo todos a agirem agora: temos que insistir para que o debate a respeito da gestão da internet seja transparente e aberto para todos os envolvidos.

Autor: Vinton Cerf – principal evangelista do google, reconhecido como um dos “pais da internet”, ao lado do cientista da computação Bob Kahn.

Tradução de Augusto Calil

Fonte: Matéria publicada em O Estado de São Paulo em 18/06/2012.

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Domínio econômico dos BRICS China – Brasil – Rússia – Índia.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 26 de Junho de 2012.


Um livro polêmico do estudioso Arvind Subramanian, da Peterson Institute for International Economics chamado “Eclipse: Living in the Shadow of China’s Economic Dominance,” que comenta sobre o domínio econômico da China, analisa as medições do PIB de acordo com índice de paridade de poder de compra (PPP) que de acordo com a média do domínio econômico, ou seja, a média ponderada dos países no PIB mundial, no comércio e nas exportações líquidas de capital, através deste conceito a China deve ultrapassar os EUA em 2012, apesar de no conjunto total da economia isto ocorrerá somente entre 2020 a 2030. Isto faz lembrar-me do caso do Brasil em que analistas internacionais comentavam que seria a 6ª economia mundial somente em 2037, o país é desde dezembro de 2011. Em termo de comércio, riqueza e finanças, não há dúvida da potencialidade da China que ocupa um lugar de destaque no cenário internacional e com maior reserva cambial do mundo, financiando ações em todos os continentes.

De acordo com o livro de Jim O’Neill, “The Growth Map – Economic Opportunity in The BRICs and Beyond”, diz que o mapa do crescimento está no BRICs – Brasil, Rússia, Índia, China, a sigla inicial que a 10 anos atrás comportava estes 4 países, agora acrescentou S da África do Sul, no livro prevê o desenvolvimento destas 5 nações além do México e outros países da África. Os BRICS cresceram em 10 anos de US$ 3 trilhões para o total de US$ 13,6 trilhões, segundo Jim O’Neill, muito acima de suas expectativas iniciais.

Se analisarmos o Paper 99 de 1996, do Goldman Sachs, estudos econômicos até 2050, ele previa que o Brasil ultrapassaria o Reino Unido em 2036, o que ocorreu em 2011, neste estudo os EUA seriam ultrapassados pela China em 2045 e na atual conjuntura isto ocorrerá por volta entre 2019 a 2022. O Brasil cresce no efeito China com suas commodities, podendo ser beneficiado também a Rússia. Os BRICS são complementares em suas ações o que é um incentivo maior para o crescimento destes países. De acordo com este estudo o PIB será proporcional a sua população, como o caso da China e Índia. Ao verificar o Paper 204 do Goldman Sachs, as comparações de 2010 e as projeções para 2030 são:
*PIB em trilhões de dólares ** Projeções em trilhões de dólares

Segundo estudos e projeções do FMI, a China será a maior economia mundial com 27,9% do PIB em 2050, acompanhado em 2º lugar da Índia com 12,9% do PIB mundial, os EUA serão a 3ª maior potência econômica com 10,4% do PIB, o Brasil em 4º lugar com 4,5% do PIB mundial e a Rússia a 5ª economia com 2,9% do PIB mundial. Ou seja, 4 dos cinco primeiros serão dos BRICS. A arma secreta do desenvolvimento da China é a educação, do Brasil é o efeito China, atualmente o maior destino das exportações brasileiras (dados do IPEA). O crescimento da Rússia vinculado às commodities e o efeito China, mas sua população está envelhecendo e diminuindo o que influenciará a velocidade do desenvolvimento econômico. A Índia aumentou em 45% suas exportações em 2011, começando a despertar para o novo cenário econômico mundial.

O Brasil pode tornar-se a 5ª potência mundial entre 2012 a 2014, por vários motivos. A França é a 5ª maior potência mundial e terminou 2011 com um PIB da ordem de US$ 2,8 trilhões contra US$ 2,4 trilhões do Brasil.

Apesar de todas as projeções e estudos destas instituições, ressalto que existem variáveis que afetarão o desenvolvimento das nações. O mundo passará por transformações radicais, como os reflexos dos efeitos climáticos, ambientais como a falta de água, da produção de alimentos, do manejo das reservas florestas existentes, além do efeito tecnologia e conhecimento. Práticas de sustentabilidade e economia verde, atrelados à tecnologia inovadora mudarão a realidade. Neste contexto, na questão tecnologia pode ajudar o Brasil, os EUA, a Alemanha e a Índia, já as commodities que são moedas de troca favorecem a Rússia e o Brasil.

Autor: Economista Welinton dos Santos

Fonte: Pravda.ru

quarta-feira, 27 de junho de 2012

OTAN mais atenta à derrubada do caça turco pela Síria.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 25 de Junho de 2012.
Um piloto turco saúda antes da decolagem da base aérea em Konya, Turquia, em 29 de abril de 2010. 
foto de arquivo. (Associated Press)

Destroços do avião de guerra alegadamente encontrados no Mediterrâneo.

Turquia promete ação depois que a Síria derruba caça turco.

Órgão da OTAN se reunirá terça-feira para discutir derrubada da Síria de um caça turco, em que os líderes turcos insistem foi espaço aéreo internacional, confirmou um porta-voz da aliança.

A Turquia tem chamado a OTAN a discutir uma resposta ao incidente da última sexta-feira, que tem agravado a crise regional causada pelo conflito na Síria, onde relato no domingo disse que mais de uma dúzia de pessoas morreram nos últimos confrontos entre rebeldes e tropas do governo.

A fuselagem do avião foi encontrada no domingo na região do Mediterrâneo, a uma profundidade de 1.000 metros, segundo a televisão estatal TRT turca. Os pilotos estão desaparecidos.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros turco Ahmet Davutoglu disse que o jato estava em um vôo de treinamento para testar as capacidades da Turquia de radar, não espionagem sobre a Síria. Ele disse que o avião se desviou erroneamente em espaço aéreo sírio na sexta-feira, mas foi rapidamente alertado pelas autoridades turcas a sair e avançou uma milha dentro do espaço aéreo internacional, quando foi derrubado fora da costa de Latakia.

A Síria insistiu neste sábado que o tiroteio “não era um ataque” e que o avião havia violado seu espaço aéreo.

“O regime Assad não deve cometer o erro de acreditar que ele pode agir com impunidade. Ele será responsabilizado pelo seu comportamento. disse o secretário do exterior britânico, William Hague

A agencia TRT informou que Davutoglu havia chamado a Otan na terça-feira para uma reunião especial para discutir o artigo 4 da Carta da OTAN em relação ao incidente de sexta-feira. O artigo diz que os países-membros “vai consultar-se sempre que, na opinião de qualquer um deles, a integridade territorial, independência política ou segurança de qualquer das partes está ameaçada.”

O plano tem causado preocupação internacional, inclusive que países pressionam o presidente sírio, Bashar al-Assad a renunciar devido ao derramamento de sangue em seu país nos últimos 15 meses. Ativistas da oposição dizem que a repressão de Assad em uma revolta cada vez mais popular armada já matou 14.000 pessoas, a maioria deles civis.

William Hague, britânico das Relações Exteriores, disse neste domingo que estava “seriamente preocupado com a ação do regime sírio em derrubar” o avião e que Davutoglu lhe tinha dito que nenhum aviso foi dado.

“Esse ato escandaloso destaca como o regime sírio colocou-se muito além do comportamento aceitável, e eu condeno de todo o coração”, disse Hague em um comunicado. “O regime Assad não deve cometer o erro de acreditar que ele pode agir com impunidade. Ela será realizada para explicar seu comportamento.”

Discussão de cúpula internacional

Haia reuniu na semana passada as Nações Unidas e a Liga Árabe tendo como enviado especial Kofi Annan para as conversações sobre os planos para uma cúpula internacional, enquanto os oficiais britânicos discutiram o assunto em Genebra, no sábado, com membros da equipe de Annan. Haia notou no domingo que “O Reino Unido está pronto para prosseguir a sua ação robusta nas Nações Unidas, do Conselho de Segurança.”

Manifestantes sírios disseram que os militares mataram 15 pessoas em um bombardeio da cidade de Daraa em 09 de junho de 2012.

Na Síria, a agência de notícias estatal SANA disse que homens armados se infiltraram a partir da Turquia entraram em confronto com guardas de fronteira da Síria em Rabiah, uma região na província costeira de Latakia. SANA disse que vários infiltrados morreram no confronto na tarde de sábado, enquanto outros teriam retornado para a Turquia. Ele disse que vários guardas de fronteira da Síria ficaram feridos, mas não especificou quantos.

A Turquia nega abrigar rebeldes armados da Síria, embora muitos refugiados sírios fugiram para campos no lado turco da fronteira.

Ativistas sírios, por sua vez, disseram que rebeldes capturaram uma base militar na província síria de Alepo, confiscando grandes quantidades de munição. O Observatório Sírio-Grã-Bretanha para os Direitos Humanos informou que 16 soldados do governo morreram nos ataques na base perto da cidade controlado pelos rebeldes de Daret Azzeh e postos de controle nas proximidades de domingo.

Segundo o ativista Mohammed Saeed os rebeldes retiraram centenas de granadas de artilharia a partir da base. Saeed acrescentou via Skype que as tropas retaliaram com intenso bombardeio sobre a área utilizando helicópteros.

Na sexta-feira, num informativo da imprensa estatal constou que 25 pessoas foram seqüestradas por “terroristas” e mortas em Daret Azzeh. Ativistas disseram que os 25 mortos eram do regime pró-homens armados conhecidos como shabiha.

Também no domingo, grupos de oposição sírios se reuniram em Bruxelas para botar para fora as diferenças e os plano para uma transição democrática. Os diferentes grupos estão divididos sobre se a intervenção militar externa viria a ajudar ou prejudicar e se deveria dialogar com o regime de Assad. A conferência, que contou com cerca de 50 pessoas, vai continuar nessa segunda-feira.

O ministro da Informação jordaniano Sameeh Maaytah, por sua vez, disse no domingo que três outros pilotos sírios haviam desertados na semana passada, antes mesmo de um piloto voar em seu avião de guerra para a vizinha Jordânia. Ele disse que os outros três cruzaram por terra para a Jordânia. Ele não tinha certeza se os quatro pilotos conheciam ou tinham coordenado suas fugas da Síria.

Fonte: CBC.ca

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Corte de Petróleo e reconhecimento de governos europeus marca a política no Paraguai.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 25 de Junho de 2012.


Suprimentos de petróleo do Paraguai cortados depois da queda do presidente.

Novo governo do Paraguai enfrentou uma onda de críticas no domingo, quando vários dos aliados mais próximos do país condenaram a demissão do presidente Fernando Lugo por legisladores, alguns chamam-lhe de um golpe do Congresso.

O presidente venezuelano, Hugo Chávez disse que seu governo irá cortar as vendas de combustível para o pobre país sul-americano. Venezuela tinha se tornado um importante fornecedor para o Paraguai como resultado Chávez havia construído laços estreitos com Lugo, um progressista moderado.

O ex-vice-presidente Federico Franco, que foi empossado como presidente após a queda de Lugo na sexta-feira, indicou o recém-nomeado ministro das Relações Exteriores José Felix Fernandez para representar o Paraguai em uma cúpula do comércio regional do Mercosul que começa nessa segunda-feira em Mendoza, Argentina, com os chefes de estado se reunindo lá na quinta-feira.

“Ele se encarregará de tentar resolver as discrepâncias com os países que são nossos vizinhos e amigos”, disse Franco depois de assistir a missa de domingo.

Isso poderia criar um confronto internacional, uma vez que Lugo também disse que pretende participar da cúpula. Aparecendo domingo cedo, denunciou sua expulsão – realizada pelo impeachment do Congresso – como um “golpe parlamentar” e uma “sentença preordenada”, que não foi baseada em prova adequada.

Todos os três outros membros do Mercosul reagiram com alarme à remoção de Lugo, e ao fato de que o julgamento de Lugo no impeachment no Senado do Paraguai durou apenas cinco horas na sexta-feira – dando ao presidente pouco tempo para montar uma defesa. Brasil e Argentina anunciaram que estavam chamando os seus embaixadores para casa e o Uruguai também manifestou a sua preocupação.

Chávez disse que a Venezuela também estaria retirando seu embaixador e que não iria reconhecer o novo governo.

Sua decisão de cortar o fornecimento de petróleo poderia prejudicar o Paraguai, que recebeu quantidades crescentes de petróleo venezuelano desde 2004. O Paraguai atualmente deve à empresa Petróleos de Venezuela SA quase US$ 300 milhões, dos quais cerca de US$ 400 milhões em dívidas totais a fornecedores de petróleo.

5 acusações de impeachment.

Lugo foi eleito há quatro anos, terminando 61 anos de governo do conservador Partido Colorado, com promessas de reforma agrária para ajudar muitas pessoas pobres e sem terra no país, mas seus aliados cada vez mais se voltaram contra ele nos últimos anos.

Ele foi julgado por impeachment em cinco acusações, incluindo que ele indevidamente teria autorizado partidos políticos a realizar uma reunião em uma base do exército em 2009, que permitiu que cerca de 3.000 posseiros invadissem ilegalmente uma fazenda de soja de grande porte de propriedade brasileira, que seu governo não conseguiu captar membros de um grupo guerrilheiro, e que ele assinou um protocolo internacional, sem submetê-lo corretamente ao Congresso para aprovação. A acusação central esteve relacionada a um confronto mortal entre a polícia e manifestantes sem-terra no início deste mês em uma reserva florestal.

Lugo disse que sua presidência truncada foi alvejada porque ele tentou ajudar a maioria pobre do país sul-americano. Perguntado se ele tinha alguma esperança de retomada do cargo, Lugo exortou seus seguidores a permanecer em paz, mas sugeriu que o clamor nacional e internacional pode levar os legisladores paraguaios a reverter seu impeachment.

“Na política, tudo é possível”, disse Lugo.

Para Franco basta servir o resto do mandato de Lugo, que termina em agosto de 2013. Sua administração tem sido reconhecida pelos governos de direita da Alemanha, Canadá e Espanha.

Fonte: CBC.ca

Google esconde conexões com serviços secretos dos EUA.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 25 de Junho de 2012.


O Tribunal de Apelações do Distrito de Colúmbia nos Estados Unidos apoiou a decisão da Agência de Segurança Nacional (NSA na sigla inglesa) de não publicar documentos que comprovem ou refutem sua conexão com a corporação Google.

O caso foi a tribunal devido à exigência do Centro de Proteção de Dados Eletrônicos Pessoais (EPIC na sigla inglesa) de divulgar informações sobre o tipo de cooperação existente entre a empresa e o serviço de inteligência. Em particular, a organização estava interessada nos detalhes da relação da NSA com a Google no caso de hackeamentos em massa de contas de ativistas civis chineses no serviço de correio eletrônico Gmail em janeiro de 2010. Na altura, Google disse que pediu ajuda às autoridades americanas, das quais a NSA, obviamente, faz parte.

Mais tarde, o ex-chefe da Agência, Mike McConnell, disse que as relações entre o serviço de inteligência e empresas privadas, como o Google, são inevitáveis. No entanto, a própria agência nem confirmou, nem negou as informações sobre a existência de tais vínculos com a corporação.
Em sua decisão, o tribunal declarou que a publicação de documentos sobre as relações entre os serviços secretos e a empresa pode prejudicar a segurança nacional dos EUA [1]

Gestora de topo do Pentágono vai para o Google

A diretora da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA, na sigla inglesa) junto ao Ministério de Defesa dos EUA, Regina Dugan, aceitou a oferta de trabalho do Google. Ela irá se juntar à alta administração da empresa, mas ainda não se sabe qual o posto que irá ocupar.

Regina Dugan era diretora da DARPA desde julho de 2009. Nesta posição, ela deu muita atenção a questões eletrônicas e procurou estabelecer contato com a comunidade hacker.[2]

Fonte [1]: Voz da Rússia
Fonte [2]: Voz da Rússia

Leia mais sobre o assunto pesquisando no canto superior direito nesse blog os temas: internet, espionagem, espionagem pessoal 

domingo, 24 de junho de 2012

Força Naval da Rússia e da Síria são alvos de desinformação.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 23 de Junho de 2012.

Frota Naval russa do Mar Negro. foto: Ria Novosti.
A escalada de tensão em torno da Síria é acompanhada de ataques maciços de desinformação. Desta vez, o alvo é a Força Naval da Rússia.

“Para a Síria parte o Nikolai Filchenkov com uma companhia de fuzileiros navais e a bordo, o Caesar Kunikov (com a carga igual) e o Kaliningrad (não se sabe com que)”. “A Rússia, Síria, Irã e China preparam-se para manobras conjuntas de envergadura no território sírio e nas águas costeiras daquele país”. Estes e outros comentários do gênero preencheram meios de comunicação social com citações de fontes competentes anônimas.

O início à campanha foi dado pela declaração da secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, sobre o alegado fornecimento de novos helicópteros de assalto russos à Síria, enquanto ao país foram devolvidas apenas velhas máquinas após a reparação, que haviam fornecidas à Síria ainda nos tempos da União Soviética. O cúmulo foi um comunicado do canal Al-Arabiya sobre manobras de envergadura com a participação de destacamentos russos, chineses, sírios e iranianos. Mais tarde, porém, o website Al-Arabiya publicou um outro comunicado de que a Rússia e Síria desmentem informações sobre próximas manobras.

Navios concretos tornaram-se heróis das notícias falsas. Os comunicados sobre a partida do Caesar Kunikov rumo à Síria apareceram a 19 de junho, quando o navio se fez de fato ao mar. Segundo publicações, o navio teria partido para a Síria. Na realidade, o Caesar Kunikov zarpou para medir parâmetros de deviação e hoje já regressou à base.

O Nikolai Filchenkov encontra-se em seu lugar comum na base, é perfeitamente visto a partir da costa e não partia para parte alguma nestes dias.

O Kaliningrado, que pertence à Esquadra do Báltico, também foi acusado de orientação síria. O navio está de fato navegando e, no início de junho, participou nas manobras internacionais BALTOPS-2012. Após os exercícios, o Kaliningrado partiu para Kiel para participar na tradicional Semana de Kiel, grande festa naval no litoral báltico da Alemanha. De Kiel o navio regressará a Baltiysk.

Um comunicado do Al-Ababiya sobre a partida do porta-aviões russo rumo à Síria não pode ser considerado seriamente: o único porta-aviões russo Admiral Kuznetsov, que no fim de inverno regressou de uma longa navegação pelo Atlântico e o Mediterrâneo, encontra-se atualmente na sua base no golfo de Cola no mar de Barents e terá em breve uma duradoura reparação.

Habitualmente, os navios militares abandonam frequentemente as bases – centenas de partidas ao mar são planificadas no quadro da preparação combativa da Força Naval da Rússia. Evidentemente, agora podemos esperar novas ondas de comunicados sobre navios russos que teriam zarpado rumo à Síria cada vez que das bases navais da FR parta algo maior que um rebocador comum.

Entretanto, o Mediterrâneo, inclusive a sua parte oriental, é uma região operacional da Esquadra do mar Negro. Se o conflito interno sírio ameaçar as estruturas russas situadas naquele país, inclusive a base de Tartus utilizada pela Força Naval da Rússia como ponto de manutenção técnica, a marinha poderá proteger a vida e segurança do pessoal da base.

sábado, 23 de junho de 2012

Marinha russa junta-se pela primeira vez a exercícios internacionais RIMPAC.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 22 de Junho de 2012.

Marinha Russa participará do Exercício Naval Internacional RIMPAC 2012.
Os navios da Esquadra russa do Oceano Pacífico juntar-se-ão aos exercícios internacionais de larga escala RIMPAC-12. Do grupo da marinha de guerra da Rússia constam o navio de luta anti-submarina Admiral Panteleev, a belonave de resgate Foti Krylov e o navio-tanque Boris Butoma. As manobras do gênero se realizam desde 1971, podendo atuar, desta vez, as embarcações russas.

Cumpre recordar que os exercícios RIMPAC (Rim of Pacific) têm por objetivo coordenar a interação das Esquadras dos EUA e dos seus aliados. Em 2012 contarão com a participação de navios da Austrália, Canadá, Columbia, México, Nova Zelândia, Singapura, EUA, França, Chile, Coréia do Sul e Japão. A bordo de navios estrangeiros nas manobras irão participar oficiais da Grã-Bretanha, Índia, Indonésia, Malásia, Países Baixos, Noruega, Peru, Filipinas, Tailândia e Tonga.

Ao todo, às manobras adere um contingente militar de 25.000 efetivos procedentes de 22 Estados, 42 belonaves, 6 submarinos, mais de 200 aviões e helicópteros.

Na lista de participantes se ausentam, por razões óbvias, a China e a Coréia do Norte que, por tradição, são vistas como adversários eventuais.
O Ministério russo do Exterior escolhe o seu próprio rumo de ação quando se trata do relacionamento dentro do triângulo Moscou-Washington-Pequim. Desde a última década do século passado, a Rússia tem procurado manter boas relações tanto com os EUA, quanto com a China, sem se aliar a esses dois países no quadro de terceiras instituições. O mesmo se refere à cooperação militar. Por um lado, a Rússia desenvolve a interação com a China, realizando exercícios conjuntos regulares, por outro, se empenha em projetos com os EUA, a OTAN e o Círculo do Pacífico.

Por isso estas não são as primeiras manobras a envolver a FR e os EUA. Basta recordar que os exercícios Vigilant Eagledurante os quais as duas partes treinaram ações conjuntas da Forças Aéreas. Todavia, as manobras RIMPAC têm uma dimensão diferente.

Neste caso, a Rússia persegue os interesses pragmáticos: tais manobras vêm demonstrar a alternativa à opção chinesa que poderá vir a ser concretizada no caso de os interesses de Moscou e Pequim se divergirem em termos estratégicos.

A participação nos exercícios do gênero seria importante ainda do ponto de vista prático por ser possível conhecer de perto a moderna máquina militar dos EUA e dos seus aliados, tanto mais que os RIMPAC pressupõem a realização de testes de novos equipamentos.

A componente experimental prevê ainda a realização de tiros com o fogo real contra alvos reais, ou seja, navios obsoletos, bem como o uso de aparelhos voadores, embarcações e lanchas. Resta saber que traços específicos terão estas manobras. Sabe-se da intenção da Marinha de Guerra dos EUA de testar um novo tipo de combustível que, numa proporção equitativa de 50%, consiste do gasoleo e do biodiesel supermoderno. Mais de 4.500 toneladas deste combustível já foram injetadas nos tanques do navio de acompanhamento Henry J. Caiser, devendo o novo combustível ser entregue ainda à disposição de belonaves no decurso das manobras. Se as provas surtirem efeito pretendido e forem bem sucedidas, a experiência será aproveitada à escala muito mais larga.

Os exercícios terão início a 27 de junho devendo terminar em 7 de agosto.

Autor: Iliya Kramnik

Leia também: Voz da Rússia

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Robô russo “Selenokhod” esquiará sobre a Lua.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 21 de Junho de 2012.


O primeiro protótipo do robô lunar autopropulsado privado Selenokhod, que está sendo desenhado por uma equipe russa participante do concurso Google Lunar X PRIZE, será criado já no próximo verão.

O robô lunar russo está provisto de um propulsor à base de esqui. Anda, portanto, movendo os esquis para diante. E vira, baixando o corpo para o solo e movendo os esquis para os lados diferentes.

As regras do concurso organizado pela fundação X PRIZE, com o apoio da Google, exigem que seus participantes criem, à custa das verbas privadas, um aparelho não-pilotado que até 2015 desembarque na superfície da Lúa, percorrendo por ela, no minimo, 500 metros e transmitindo à Terra vídeos de alta resolução e fotografias.

Leia também: Voz da Rússia

Conteúdos do Google com críticas em relação a governos são censurados.


Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 20 de Junho de 2012.


Os governos de diferentes países estão tentando cada vez mais remover da rede determinados conteúdos – informa o relatório anual publicado hoje pela empresa Google sobre a transparência do espaço de rede.

Conforme o documento, um grande número de pedidos de remoção de conteúdos- especialmente vídeo – chegou no último ano de Estados democráticos, que não são geralmente associados a práticas de censura. Assim, as autoridades de Espanha pediram ao Google que retirasse 270 referências de blogs e de publicações na imprensa com críticas em relação às autoridades. O governo dos EUA pediu a remoção de mais de 200 referências, mas a empresa eliminou apenas 40% dos pedidos.

A empresa declinou o pedido do Paquistão a retirar da pesquisa do motor os links de seis filmes com paródias em relação às mais altas autoridades do Estado.



Leia mais sobre o assunto pesquisando no canto superior direito nesse blog os temas: bloqueio da internet, censura, redes sociais, internet

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Aterrizagem do drone espacial experimental norte-americano.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 20 de Junho de 2012.


O aparelho espacial experimental não-tripulado, que pelo aspeto faz lembrar o shuttle americano em miniatura, aterrizou com sucesso no cosmódromo de uma base militar no estado da Califórnia, informa o Spaceflight Now.

O drone X-37B Orbital Test Vehicle 2 (OTV-2) permaneceu na órbita terrestre 468 dias e 13 horas, tendo dado mais de 7000 voltas à Terra.

Segundo a agência Associated Press, o aparelho servirá de plataforma de teste para sensores e sistemas para satélites. Segundo os comunicados oficiais, o trabalho com o segundo aparelho X-37B terá em consideração a experiência da missão anterior.

Os outros pormenores do lançamento do aparelho, assim como os detalhes da missão, são mantidos em segredo, acrescenta a agência.

MQ-4C Triton é o novo drone da Marinha dos EUA.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 20 de Junho de 2012.


A companhia Northrop Grumman apresentou o seu novo veículo aéreo não-tripulado MQ-4C Triton, destinado à Marinha dos EUA e elaborado com base no aparelho Global Hawk.

O MQ-4C Triton será equipado com um radar de banda X para deteção de navios de superfície e irá integrar o sistema de reconhecimento naval alargado da Marinha norte-americana. Neste momento, a Northrop Grumman tem já fabricados dois exemplares experimentais do MQ-4C Triton . No total a Marinha dos EUA tenciona adquirir 68 desses drones.

O primeiro voo do MQ-4C Triton deve realizar-se até ao fim de 2012. O drone deve entrar no serviço em dezembro de 2015.

Segundo fontes abertas, o novo VANT tem uma envergadura de asa de 39,9 m, é capaz de atingir uma altitude superior a 18 km e tem uma autonomia de um dia. O radar permite ao MQ-4C Triton efetuar o reconhecimento de uma área de 7 milhões de quilômetros quadrados.

domingo, 17 de junho de 2012

Itália considera possível venda de seus territórios para pagar dívida.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 16 de Junho de 2012.

A “bota” italiana está prestes a se desmoronar. O Tirol do Sul que, a propósito, se encontra na parte norte do país, propõe resgatar a sua independência, a Liga do Norte quer criar o Estado independente de Padânia, constituída pelas províncias mais evoluídas da Itália.

E eis uma nova iniciativa – foi proposto vender a Sicília, Nápoles e Sardenha. Esta proposta foi apresentada por Mario Borghezio, deputado europeu pela já mencionada Liga do Norte. O “separatista” está pronto a ceder estes territórios meridionais da Itália a estrangeiros. Na opinião de Borghezio, somente os bilionários russos ou americanos são capazes de vencer a “Cosa Nostra” da Sicília ou a “Camorra” napolitana. O deputado está convencido também de que, com a venda destes territórios que dão apenas prejuízo, a Itália poderá não somente melhorar a sua situação econômica, mas também amortizar uma parte da sua dívida de dois trilhões de euros.

Mario Borghezio revelou os pormenores desta iniciativa em entrevista à Voz da Rússia.

“Creio que no momento em que o nosso país luta com as consequências da crise econômica grave, a Itália necessita de recursos complementares, que lhe permitam diminuir o fardo da dívida pública, excecionalmente alta, que pesa agora nos seus ombros. Na minha opinião, a única variante admissível é a venda das mais importantes “pérolas” do nosso país. Propus as regiões que manifestaram, elas próprias, o desejo de se tornar autônomas e economicamente independentes. Vejamos, por exemplo, a Sicília. Uma Sicília independente bem que pode virar uma espécie de Flórida europeia. Mas, para alcançar este objetivo, os sicilianos devem ter acesso à total autonomia. Se não conseguirem levar a cabo esta ideia sozinhos, os russos ou americanos podem ajudá-los com as suas injeções financeiras. Isto ajudará a Sicília a tornar-se uma verdadeira Meca do turismo. Quanto à região de Campânia, com a sua capital Nápoles, a minha proposta a respeito da máfia tem um caráter puramente provocador. É sabido que esta região está sob o controle total de “barras-pesadas”. 

Creio, portanto, que quanto mais longe a Campânia estiver da outra parte, relativamente mais bem-sucedida, da Itália, tanto melhor”.

Mas não vai acontecer que esta lógica levará um dia a que toda a Itália seja vendida em leilão?

“Acredito sinceramente que isso não acontecerá. Quanto à Padânia, nós, a Liga do Norte, conseguiremos defendê-la com toda a certeza. Precisamente por isso procuramos separar o norte do resto da Itália para livrá-lo da má gestão e das consequências econômicas terríveis, – o resultado da política adotada por Roma. Esta política pode destruir o potencial moderno e altamente industrializado que o Norte possui, e infligir um golpe contra toda a Padania, que proporciona postos de trabalho a toda a Itália.

As autoridades oficiais por enquanto não se apressam a reagir a esta proposta original. Mas creio que enquanto a crise pan-europeia continuar na ordem do dia, semelhantes propostas, inclusive as mais inverosímeis, irão surgir em muitos países. Se os problemas na Europa continuarem, quem sabe, talvez chegue a hora de realizar estas ideias”.

Fonte: Voz da Rússia

sábado, 16 de junho de 2012

Agência Espacial Russa alerta sobre perigo de asteróides e cometas colidirem na Terra.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 15 de Junho de 2012.

A ameaça proveniente de cometas e asteróides é discutida pela primeira vez, numa conferência de segurança em São Petersburgo, pelos especialistas nesses assuntos. O tema da intervenção da Agência Espacial Russa é o perigo de asteróides e cometas.

A conjugação das palavras “perigo de asteróides e cometas” apareceu há relativamente pouco tempo. Há várias razões para isso. Os céticos afirmam que essa ameaça externa tornou-se num tema para de algum modo justificar o estudo e exploração espacial. Os seus partidários consideram que a humanidade teve simplesmente muita sorte nos últimos milhares de anos em que a Terra não se meteu no caminho de um calhau relativamente pequeno e que é necessário tomar medidas urgentes e decisivas para excluir essa futura probabilidade.

As observações dos corpos celestes só floresceram realmente na era do registo e tratamento de dados automáticos. Com a ajuda de poderosos computadores o Homem conseguiu ver quantos corpos celestes pequenos rodeiam a Terra. De acordo com os últimos estudos, o número de asteróides próximos da Terra é de cerca de 20 000. O maior perigo é representado por aqueles, cuja trajetória se cruza com a da Terra, o que pode provocar uma colisão. Na realidade, é muito complicado determinar se um asteróide colidirá com a Terra, por isso, quando se fala de asteróides potencialmente perigosos, apenas se considera a sua desagradável proximidade.

Segundo está calculado, basta um asteróide de cem metros para provocar destruições regionais consideráveis. Supõe-se que o diâmetro do meteorito de Tunguska era de 50-75 m e que bastaria um objeto de 1 a 10 quilómetros para uma catástrofe à escala global.

Felizmente, na proximidade direta da Terra não há muitos desses objetos, mas, infelizmente, eles são difíceis de observar e também é difícil prevêr as suas órbitas. Além do seu movimento, tem que se considerar a interação gravitacional com a Terra, o que é importante no caso do asteróide potencialmente perigoso Apófis (de 350 m de diâmetro) que é considerado o primeiro entre os corpos celestes potencialmente perigosos. A primeira aproximação do Apófis à Terra será em 2029 e a seguinte em 2036. Do como irá decorrer o primeiro “encontro” dependerá muito do que se passará no segundo: irá o Apófis passar ao lado ou os terrestres terão de procurar soluções para evitá-lo.

O problema é que nenhum método para evitar o perigo já foi testado. Há várias propostas, por exemplo fazer explodir o asteróide, o que não é muito eficaz, visto que ainda é mais difícil prevêr as trajetórias dos pedaços resultantes que a do próprio corpo inicial. Outra ideia é pintar o corpo celeste perigoso de forma a alterar os seus parâmetros de reflexão, e sob ação da luz solar ele próprio sairia do caminho incial.

Até hoje, todos os projetos na área da segurança espacial poderíam ser considerados como uma estratégia “passiva” de observações e cálculos dos objetos perigosos. Atualmente existem no mundo uma dezena de projetos de diferentes países e organizações que conseguiram identificar 1311 asteróides potencialmente perigosos. O termo PHA (potentially hazardous asteroids)  significa asteroides com um determinado raio de órbita cruzando esta a da Terra numa vizinhança muito curta. Os cálculos são feitos por laboratórios tanto terrestres como espaciais como, por exemplo, um aparelho da NASA, o WISE (Wide-Field Infrared Survey Explorer).

Na Rússia, encontra-se atualmente em funcionamento um Grupo de Trabalho e Peritagem de Ameaças Cósmicas do Conselho Espacial da Academia Russa que tem sede no Instituto de Astronomia da ACR. O grupo ocupa-se de duas áreas: o lixo espacial e o perigo de asteróides e meteoritos. Uma das suas tarefas é a elaboração de um programa de reação ao perigo que vem do espaço. É possível que num futuro breve esse tema ocupe um lugar central no programa espacial da 
Rússia, o que foi afirmado pelo vice-primeiro ministro Dmitri Rogozin.

De resto, não existe no mundo uma única missão fixa que tenha por objetivo elaborar uma “contra-resposta” ao asteróide. A missão “Apofis”, em preparação na SPA S. A. Lavochkin, ainda não tem prazos concretos de execução (além do pazo evidente da aproximação do próprio Apófis à Terra).

Também não se deve esperar por uma resposta no encontro de São-Petersburgo. É interessante que neste se discutem questões da interação espacial sem subentendidos militares. Ainda é mais interessante, quando há uma coincidência no tempo com iniciativas como o estudo dos asteróides como fontes de matérias-primas. Será que a exploração espacial, depois de um período de estagnação evidente, está a entrar numa nova fase de desenvolvimento, ou trata-se de mais um tema da moda? Claro que a segunda versão é mais realista, mas a primeira não deixa de ser mais interessante.

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Rússia vai ter novo bombardeiro.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 14 de Junho de 2012.

No próximo decênio, a Força Aérea da Rússia deverá receber um novo bombardeiro estratégico. Entretanto, há quem critique a necessidade deste avião. Acontece que os modernos sistemas  de defesa antiaérea e defesa antimíssil podem tornar impossível a utilização deste aparelho que, contudo, não está excluído da lista de encomendas.

Hoje, a aviação de longo alcance da Força Aérea da Rússia inclui três tipos de bombardeiros: os supersônicos estratégicos de longo alcance Tu-22M3, os pesados Tu-95 e os superpesados de longo alcance Tu-160. O raio de alcance do Tu-22M3 atinge 1500-3500 quilómetros. Os seus congéneres mais pesados podem voar 6-7 mil km sem reabastecimento. Levando em consideração o raio de ação das suas armas principais (mísseis de cruzeiro) esta característica permite atingir alvos no território da América do Norte.

Em média, o parque russo de aviões estratégicos é mais jovem do que o americano. O principal bombardeiro americano, o B-52, tal como o Tu-95 russo, levantou voo pela primeira vez em 1952. Os B-52H, ainda em dotação da Força Aérea dos EUA, foram construídos em 1960-1962. Os B-1B, construídos em 1984-1988, e os B-2, construídos em 1989-1997 são da mesma idade que os aviões russos.

Os B-2, muitos dos quais já têm 50 anos, terão de voar até 2040. Entre 2025 e 2040, estas máquinas devem ser substituídas por aviões de nova geração, desenvolvidos no quadro do programa NGB (Next Generation Bomber – Bombardeiro de Nova Geração).

Este novo avião deve substituir também os B-1B, cuja retirada de dotação começará já nos anos 2030, e será utilizado paralelamente com os B-2 que terão de servir até o fim dos anos de 2040.

Segundo aquilo que se conhece sobre o NGB, o novo avião será diferente do B-2 no que se refere ao peso de decolagem (menor, cerca de 100 toneladas contra 170), ao armamento (bombas com 13 toneladas ao todo, contra 23) e ao raio de alcance (3800 km contra 5000). Uma diminuição de caraterísticas permitirá diminuir o preço da nova máquina para 500-600 milhões de dólares por unidade contra mais de um bilhão de dólares por um B-2.

Especialistas russos acompanham com bastante atenção o desenvolvimento do projeto NGB. A conceção de uma máquina de “peso médio – pesado” que tem maior alcance em comparação com o Tu-22M, mas menor do que o Tu-160 vê-se bastante atraente. Para definir a imagem do novo avião desenvolvido no quadro do programa PAK DA (complexo aéreo prometedor de aviação de longo alcance), é necessário determinar os seus objetivos.

O bombardeiro de longo alcance russo deve ter a possibilidade de atingir alvos no território da Eurásia após levantar voo da base, sem reabastecimento no ar, e cumprir missões de tipo intercontinental com reabastecimento. Este é um raio de alcance de 3500 km com carga completa e de 5500 km com carga limitada.

É possível diminuir o preço da máquina unificando os seus equipamentos com os do caça em desenvolvimento T-50. Discute-se a possibilidade de construir um avião de 100-120 toneladas com quatro motores AL-41 (o T-50 tem dois) e de desenvolver um equipamento radioeletrónico de bordo do novo bombardeiro na base do equipamento elaborado para o T-50.

Como alternativa ao PAK DA, propõe-se frequentemente a utilização da família de caças em dotação e em elaboração Su-27/Su-30 e T-50, de bombardeiros Su-34, assim como a modernização de aviões de longo alcance disponíveis.

A primeira decisão, embora seja financeiramente atraente, não  garante sempre novas potencialidades em caso de guerra. As capacidades dos aviões de curto alcance de atingir alvos fora de um raio de alcance normal (até 2000 km) diminuem bruscamente. É impossível atingir “em um único voo” alvos a uma grande distância do aeródromo de baseamento permanente. São necessárias ou uma base intermédia ou a utilização de aviões de reabastecimento, o que aumenta as despesas financeiras e o tempo para atingir os alvos.

A segunda decisão é melhor, mas é limitada no tempo. Apesar de um longo prazo de utilização, os modernos aviões não são eternos e o processo de sua projeção e de entrada em produção é longo. Se a Rússia suspender hoje o desenvolvimento de novo bombardeiro, o país poderá ficar sem aviação de longo alcance em 2040-2050. Se no período de sua projeção aparecerem novas máquinas que permitam abandonar dos portadores de mísseis pesados tradicionais, estes trabalhos poderão ser suspensos, mas só depois de surgir uma alternativa de trabalho.

Fonte: Voz da Rússia

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Destruição do mundo digital custa 100 milhões de dólares.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 13 de Junho de 2012.


Uma epidemia de grande escala, que pode pôr fim àquele “mundo que nós conhecemos”, ameaça a humanidade. Esta declaração foi feita pelo fundador de um dos laboratórios de luta contra os vírus mais famoso na Rússia, Evgueni Kaspersky.

A razão dos receios é o vírus Flame, encontrado há pouco em 600 computadores no Próximo e Médio Oriente. Como afirmaram os representantes da companhia Kaspersky Lab, este é o vírus mais forte e complicado entre aqueles que já existiram no mundo. O programa danificante pode interceptar o tráfico, roubar dados e até gravar as conversas.

Agora este vírus pode ser criado por muitos países. O projeto foi avaliado por Kaspersky no valor de 100 milhões de dólares.

Fonte: Voz da Rússia

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Uma guerra civilizada: seria isso possível?

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 12 de Junho de 2012.

O mundo ameaçado pela corrida de armamentos virtuais.

Nick Harvey, ministro das Forças Armadas britânico, declarou que ataques cibernéticos a países inimigos poderiam ser um meio “mais civilizado” das hostilidades, caso o Governo considerar que esta opção acarretaria menos vítimas.

Espera-se que no futuro as operações no espaço cibernético desempenhem um papel cada vez maior nos conflitos bélicos, disse Harvey, discursando na cimeira anual de segurança, em Singapura. Segundo o político, tal perspetiva desafiará não só as Forças Armadas como também a sociedade, em geral. Na opinião do ministro, os ataques cibernéticos permitem assestar golpes relativamente baratos aos países que possuem consideráveis armamentos convencionais.

O ministro da Defesa da Malásia, Ahmad Zahid Hamidi, disse, por sua vez, que as guerras cibernéticas poderiam desencadear uma corrida armamentista virtual.

Rússia apresenta inovações militares na feira internacional Eurosatory-2012.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 11 de Junho de 2012.


Um número recorde de inovações de empresas russas é exibido na feira internacional de armamentos e de material bélico Eurosatory-2012, que decorre em Paris entre 11 e 15 de Junho no Centro de Exposições Paris-Nord Villepint.

A exposição, de grande prestígio, é realizada sob patronagem do Ministério da Defesa da França, contando com a participação de mais de 400 companhias de 47 países.

A Eurosatory é uma das maiores exposições de armamentos e equipamentos militares de tropas e meios terrestres de DAA, que desempenha um papel importante na definição de tendências mundiais do desenvolvimento de principais e auxiliares tipos de armamento, assim como de complexos de comando de tropas. Para além do componente comercial, a feira é caraterizada por um amplo programa demostrativo.

Na Eurosatory, sob a égide da companhia Rostekhnologii, são representadas 14 empresas da indústria mliitar da Rússia, entre elas o consórcio Tecnologias Radioeletrônicas, que produz meios de luta radioeletrónica, meios de identificação “nosso-alheio”, a companhia Izhmash, conhecido produtor de armas de fogo, a companhia Kompas, especializada na produção de aparelhos de navegação de alta precisão, diz o representante oficial da companhia Rostekhnologii, Matvey Voskoboinikov.

Especialistas e convidados da exposição podem avaliar mais de 200 amostras de novos armamentos e equipamentos militares russos. Pela primeira vez na história da participação nesta feira, a delegação russa apresenta as inovações russas em forma de exemplares reais. Trata-se do tanque modernizado T-90S, do veículo de combate de apoio a tanques, do camião de carga Ural, assim como do sistema de mísseis antitanque (PTRK) Kornet-EM,com base no veículo blindado Tigr.

Hoje, o PTRK é a arma mais procurada e maciça de alta precisão. A utilização do Kornet-EM de visão técnica em conjunto com um sistema de acompanhamento de mísseis permite excluir o fator humano do processo de apontamento de mísseis dirigíveis. O aumento de alcance e de precisão do tiro, o acompanhamento automático permitem detetar não apenas alvos terrestres de baixa velocidade, mas também objetos mais velozes. Tal significa que o Kornet-EM é capaz de resolver uma tarefa nova de princípio – atingir alvos aéreos de poucas dimensões: helicópteros, aparelhos voadores não tripulados e aviões de assalto. Na exposição, será apresentado pela primeira vez o simulador do sistema combinado de mísseis e artilharia (ZPRK) Pantsir-S1 que permite diminuir as despesas com a preparação de pessoal de serviço. O sistema, destinado à defesa antiaérea de estruturas militares, industriais e administrativas, pode detetar alvos a uma distância de 25 km, acompanhando ao mesmo tempo até quatro objetos.

No mercado mundial de armamentos de equipamentos, os sistemas de DAA têm uma procura elevada. Deste modo, na exposição em Paris pode-se esperar um grande interesse em relação aos sistemas russos de DAA que são adquiridos de bom grado por muitos países no quadro da cooperação técnico-militar com a Rússia.

Fonte: Voz da Rússia

terça-feira, 12 de junho de 2012

Moscow cumprirá os contratos de fornecimento de material antiaéreo à Síria.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 11 de Junho de 2012.

Leia mais sobre o assunto pesquisando no blog o tema: Síria
 
 Rússia cumprirá os contratos de fornecimento de material antiaéreo à Síria, que não inclui armamento apto a ser utilizado contra a população civil, manifestou hoje o ministro de Assuntos Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov.

“Não vamos oferecer ao Governo sírio nenhum tipo de armamento que possa ser utilizado contra a população civil”, assegurou o chanceler russo em uma coletiva de imprensa em Moscow, explicando que se trata do cumprimento de contratos antigos que já estão em fase de conclusión.

O chefe da diplomacia russa denunciou a ingerência de “forças exteriores” no conflito sírio, que dirigem os passos da oposição do país árabe.

Lavrov apontou que Moscow tem dados sobre o financiamento dos grupos armados que operam na Síria e possui informação sobre a identidade de chefes dos destacamentos que formou a oposição.
Ao mesmo tempo, o ministro das relações exteriores da Rússia pontuou que o futuro da paz mundial depende da solução da crise síria.

“A solução da crise síria julgará um enorme papel na organização do mundo futuro, em que a partir daí o mundo se regerá pela Carta da ONU ou pelo direito do mais forte”, explicou.
Finalmente, Lavrov descartou a possibilidade do cambio da postura da Rússia com respeito a Síria.

Anteriormente, o chanceler russo prometeu que Moscow vetaria qualquer tipo de resoluções no Conselho de Segurança de la ONU que autorizem o uso da força contra a Síria, para evitar consequências “gravíssimas” para toda a região do Oriente Médio.

Fonte: Ria Novosti

domingo, 10 de junho de 2012

50 indicadores do imenso declínio econômico dos EUA em 2011.

Publicado por dinamicaglobal.wordpress.com em 9 de Junho de 2012.

 image: guides.lib.washington.edu

Apesar de a maioria dos norte-americanos estar bastante furiosa com esta economia, a realidade é que grande parte deles continua a não ter ideia do quão intenso tem sido o declínio econômico do país.

Publicado no blogue The Economic Collapse. Traduzido por Sofia Gomes
 
Apesar de a maioria dos americanos estar bastante furiosa com esta economia, a realidade é que a grande parte deles continua a não ter ideia do quão intenso tem sido o nosso declínio econômico ou quais os problemas que vamos enfrentar se não fizermos mudanças drásticas rapidamente. Se não educarmos o povo norte-americano sobre o quão mortal se tornou a economia dos EUA, então eles vão continuar a seguir as velhas mentiras que os políticos continuam a contar. “Ajustar” umas coisas não vai consertar esta economia.

De fato, precisamos de uma mudança profunda de direção. A América está consumindo muito mais do que aquilo que produz e a nossa dívida está explodindo. Se continuamos por este caminho, o colapso econômico é inevitável. Espero que os números loucos de 2011 que incluí neste artigo sejam suficientemente chocantes para acordar algumas pessoas.

Nesta altura do ano, muitas famílias juntam-se e na maioria dos lares, a certa altura, a conversa gira em torno da política. Espero que muitos de vós usem a seguinte lista como ferramenta para ajudar a partilhar com a vossa família e amigos a realidade da crise econômica dos EUA. Se trabalharmos juntos, conseguiremos que milhões de pessoas acordem e percebam que os “negócios de costume” resultarão no apocalipse econômico nacional.

Os 50 números econômicos de 2011 que são quase demasiado loucos para acreditarmos neles...

#1 48% dos Americanos são considerados como tendo “baixos rendimentos” ou vivem na pobreza.

#2 Aproximadamente 57% de todas as crianças dos EUA vivem em lares que se consideram de “baixos rendimentos” ou empobrecidos.

#3 Se hoje o número de norte-americanos que “queriam trabalho” fosse o mesmo que em 2007, a taxa de desemprego “oficial” do governo chegaria aos 11%.

#4 A média de tempo que um trabalhador fica no desemprego nos EUA é agora mais de 40 semanas.

#5 Uma sondagem recente descobriu que 77% das pequenas empresas dos EUA não planejam contratar mais pessoas.

6# Hoje existem menos empregos pagos do que em 2000 apesar de termos mais 30 milhões de pessoas desde essa altura.

#7 Desde dezembro de 2007, a média dos rendimentos familiares diminuiu 6,8% depois da inflação.

#8 De acordo com o Gabinete de Estatística para o Trabalho, em dezembro de 2006, 16,6 milhões de norte-americanos encontravam-se em situação de auto-emprego. Hoje o número diminuiu para 14,5 milhões.

#9 Uma sondagem Gallup do início de 2011 revelou que aproximadamente um em cada cinco norte-americanos que têm trabalho consideram-se subempregados.

#10 De acordo com o autor Paul Osterman, cerca de 20% de todos os adultos têm empregos onde ganham salários ao nível da pobreza.

#11 Em 1980, menos de 30% de todos os empregos dos EUA eram de baixo rendimento. Hoje representam mais de 40%.

#12 Em 1969, 95% de todos os homens entre os 25 e os 54 tinham um trabalho. Em julho, apenas 81,2% dos homens nessa faixa etária trabalhavam.

#13 Uma sondagem recente revelou que um em cada três norte-americanos não teriam possibilidades de pagar a próxima mensalidade do empréstimo de habitação/renda se de repente perdessem o emprego.

#14 O Federal Reserve anunciou recentemente que o total do rendimento líquido dos lares desceu 4,1% apenas no terceiro trimestre de 2011.

#15 De acordo com um estudo recente do Instituto de Investimento Black Rock, a razão da dívida/rendimento pessoal é agora de 154%.

#16 À medida que a economia abrandou, o mesmo aconteceu ao número de casamentos. Segundo a análise do Pew Research Center, apenas 51% dos americanos que têm pelo menos 18 anos estão casados. Em 1960, 72% dos adultos eram casados.

#17 O Serviço Postal dos EUA perdeu mais de 5 bilhões de dólares durante o ano passado.

#18 Em Stockton, California, os preços das casas caíram 64% desde o auge do mercado imobiliário.

#19 O Estado do Nevada tem a maior taxa de vencimentos de hipotecas (foreclosures) desde há 59 meses consecutivos.

#20 Se não acredita, o preço médio de uma casa em Detroit é agora de seis mil dólares.

#21 De acordo com o Gabinete dos Censos, 18% de todas as casas no Estado da Florida estão vazias. Isto representa um aumento de 63% nos últimos dez anos.

#22 O baixo ritmo de construção de novas casas nos EUA está a caminho de bater um novo recorde em 2011.

#23 Como escrevi anteriormente, 19% de todos os homens americanos entre os 25 e os 34 vivem com os pais.

#24 Nos últimos cinco anos, as contas de electricidade nos EUA subiram mais depressa que a taxa de inflação.

#25 De acordo com o Gabinete de Análise Económica, em 1980, os custos com os cuidados de saúde representavam 9,5% do consumo pessoal. Hoje, representam 16,3%.

#26 Um estudo revelou que cerca de 41% de todos os cidadãos capazes de trabalhar têm problemas com custos de saúde ou estão pagando uma dívida médica.

#27 Se é possível acreditar, um em cada sete norte-americanos tem no mínimo 10 cartões de crédito.

#28 Os EUA gastam cerca de 4 dólares em bens e serviços provenientes da China por cada dólar que a China gasta em bens e serviços provenientes dos EUA.

#29 Estima-se que o déficit comercial dos EUA em 2011 seja de 558 bilhões de dólares.

#30crise das reformas continua piorando. De acordo com o Instituto de Pesquisa dos Benefícios do Empregado, 46% de todos os trabalhadores norte-americanos têm menos de 10 mil dólares poupados para a reforma, e 29% têm menos de mil dólares.

#31 Hoje, um em casa seis idosos vive abaixo da linha federal de pobreza.

#32 Segundo um estudo recentemente publicado, os salários dos administradores executivos nas maiores empresas subiu 36,5% num período de 12 meses.

#33 Hoje, os bancos “demasiado grandes para cair" são maiores do que nunca. O total de ativos detidos pelos seis maiores bancos dos EUA subiu 39% entre 30 de setembro de 2006 e 30 de setembro de 2011.

#34 O seis herdeiros do fundador do Wal-Mart, Sam Walton, têm um rendimento líquido quase igual ao dos 30% de americanos mais pobres.

#35 De acordo com a análise do Pew Research Center aos dados reunidos pelo Gabinete dos Censos, a média do rendimento líquido dos lares liderados por cidadãos com 65 anos ou mais é 47 vezes mais alto que a média do rendimento líquido dos lares liderados por cidadãos abaixo dos 35.

#36 Se é possível acreditar, 37% de todos os lares nos EUA liderados por alguém abaixo dos 35 anos possuem um rendimento líquido de zero ou abaixo de zero.

#37 A percentagem de norte-americanos que vive na pobreza extrema (6,7%) é a maior registrada.

#38 A percentagem de crianças sem abrigo é 33% mais alta do que em 2007.

#39 Desde 2007, o número de crianças pobres no estado da California subiu 30%.

#40 Tristemente, a pobreza infantil está a explodindo pelos EUA fora. De acordo com o Centro Nacional para a Pobreza Infantil, 36,4% de todas as crianças que vivem naFiladélfia estão na pobreza. 40,1% das crianças que vivem em Atlanta estão na pobreza, 52,6% das crianças que vivem em Cleveland estão na pobreza e 53,6% das crianças que vivem em Detroit estão na pobreza.

#41 Hoje, um em cada sete americanos e um em cada quatro das crianças usam cupões de comida.

#42 Em 1980, as transferências feitas pelo goveno representavam 11,7% de todo o rendimento. Hoje, representam mais de 18%.

#43 Uns inacreditáveis 48,5% de todos os norte-americanos vivem num lar que recebe alguma forma de ajuda do governo. Em 1983, o número estava abaixo dos 30%.

#44 Atualmente, os gastos do governo federal representam cerca de 24% do PIB. Em 2001, representavam 18%.

#45 No ano fiscal de 2011, o déficit federal era de 1,3 trilhão de dólares. É o terceiro ano consecutivo em que o déficit ultrapassa o bilião de dólares.

#46 Se o Bill Gates desse toda a sua fortuna ao governo, apenas cobriria o déficit por cerca de 15 dias.

# 47 Incrivelmente, o governo acumulou uma dívida total de 15 trilhões de dólares. Quando Barack Obama tomou posse a dívida era de 10,6 trilhões.

#48 Se o governo federal começasse a pagar agora a dívida nacional ao ritmo de um dólar por segundo, levaria mais de 440 mil anos para pagar tudo.

#49 Desde o início da administração Obama, a dívida nacional tem aumentado a uma média de 4 bilhões de dólares por dia.

#50 Durante a presidência de Obama, o governo acumulou mais dívida do que o período entre a presidência de George Washington e a presidência de Bill Clinton.


Obviamente, no centro dos nossos problemas econômicos está o Federal Reserve. É uma máquina perpétua, destruiu quase completamente o valor do dólar e tem um registo terrível de incompetência. 

Se o sistema do  Federal Reserve nunca tivesse sido criado, a economia norte-americana estaria em melhor forma. O governo tem de acabar com o  Federal Reserve e emitir moeda não baseada em dívida. Seria um passo importante para restaurar a prosperidade dos EUA.

Durante 2011, fizemos muitos progressos ao educar o povo americano sobre os nossos problemas econômicos, mais ainda há muito para fazer.

Últimas postagens

posts relacionados (em teste)

Resumo

Uma parceria estratégica entre França e Rússia tra ria benefícios econômicos para a Europa?

SPACE.com

NASA Earth Observatory Natural Hazards

NASA Earth Observatory Image of the Day

ESA Science & Technology